Portal da Secretaria Municipal de Educação



O QUE É AEL?

A Academia Estudantil de Letras - AEL é uma autêntica Academia de Letras com as devidas adaptações para o público estudantil. A iniciativa é desenvolvida nas Unidades Escolares da Rede Municipal de Ensino que se interessam em implantar o Projeto “Academia Estudantil de Letras – AEL”, instituído pela Portaria 5.296/15, abrangendo EMEFs, EMEFMs, EMEBSs e CIEJAs, em consonância com o Currículo da Cidade, que integra práticas e culturas escolares já existentes na Rede Municipal de Ensino, promotoras do desenvolvimento integral dos estudantes, da equidade e da educação inclusiva.

Dentro da dinâmica do projeto, são os próprios acadêmicos que escolhem um autor da literatura para representar na Academia. Na AEL, os estudantes fazem pesquisas e realizam seminários sobre os seus amigos literários, compartilham o conhecimento, passam a perceber o ponto de vista do outro e desenvolvem a autonomia.

A forma de participação foi organizada em três ciclos: Alfabetização, Interdisciplinar e Autoral. Com o tempo, os mais experientes vão assumindo, de forma processual, a titularidade das cadeiras pretendidas. Outros, mais novos, dos anos precedentes, também são estimulados, nas mediações literárias, a assumir a vacância da titularidade das cadeiras literárias, quando esta ocorrer.

Os encontros literários buscam privilegiar os aspectos lúdicos presentes na leitura. As atividades de teatro, também desenvolvidas no projeto, procuram trazer outras formas de expressão para os gêneros literários trabalhados, permitindo que os estudantes expressem a literatura de forma adaptada pelas artes visuais, dança, música e artes cênicas. Os encontros literários e de teatro acontecem fora do horário regular das aulas, pois é optativo participar do projeto. Todas as ações se desenvolvem dentro de uma perspectiva que defende a expansão qualificada do tempo de permanência na escola, considerando as características, o contexto e o significado dessas ações para a vida dos estudantes. Os educandos que participam da AEL, em sua maioria, permanecem no projeto até a conclusão dos seus cursos.

Além dos encontros no projeto, os alunos participam também de eventos culturais, solenidades de fundação de novas Academias, festas anuais de posse e mostras de criação artística.

Clique aqui para visualizar uma animação sobre a AEL.


HISTÓRICO

A Academia Estudantil de Letras – AEL nasceu em 2005, na Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Padre Antônio Vieira, idealizada pela então professora de Língua Portuguesa, Maria Sueli Fonseca Gonçalves, conhecida por todos como Suelizinha.

Em março de 2006, a professora recebeu o convite da Secretaria Municipal de Educação (SME) para integrar a equipe da Diretoria Regional de Educação (DRE) Penha, com o objetivo de iniciar a expansão da Academia Estudantil de Letras para outras escolas da região.

Os primeiros resultados logo começaram a despontar. Ao término de 2007, três novas academias foram fundadas: AEL Monteiro Lobato, na EMEF Pref. José Carlos de Figueiredo Ferraz; AEL Cecília Meireles, na EMEF Cecília Meireles e AEL Lygia Fagundes Telles, na EMEF Octávio Mangabeira.

O projeto foi crescendo graças à divulgação das ações dessas academias e também às formações realizadas na DRE Penha. ( Veja no Blog da AEL )

Aliado a isso, outros fatores que contribuíram para o crescimento das academias foram o encantamento e a transformação que esse projeto provoca, cotidianamente, nas relações entre alunos e professores e no gosto pela literatura. Os depoimentos de professores e alunos são estimulantes e os resultados obtidos podem ser comprovados.

Em agosto de 2015, foi publicada a Portaria nº 5.296 que institui o Projeto “Academia Estudantil de Letras” nas Unidades Educacionais que mantêm o Ensino Fundamental e o Ensino Médio da Rede Municipal de Ensino de São Paulo. Veja na íntegra a Portaria n°5.296 e a Portaria 3.552, de 10/05/2016, publicada em 11/05/2016, páginas 10 e 11 (que altera os parágrafos 8º e 12º, da Portaria 5.296).
A partir da publicação da portaria, iniciou-se a expansão do projeto, multiplicando, consideravelmente, o número de academias inicialmente constituídas.


Atualmente, são 79 Academias Estudantis de Letras já fundadas e mais 40 estão em processo de fundação na Rede Municipal de Ensino (RME) de São Paulo, envolvendo cerca de 3.500 estudantes. Conheça a relação completa de Academias



A iniciativa também serviu de modelo e inspiração para a implantação de Academias Estudantis de Letras em escolas das cidades de Ferraz de Vasconcelos, Guarulhos, Poá, Suzano, Campos do Jordão (Academia Jovem de Letras, integrada à Academia de Letras de Campos do Jordão) e, para além do estado de São Paulo, em Apodi (RN), Picos (PI), Quixadá (CE), Tijucas (SC) e Serra (ES).