Publicado em:

Escola constrói casa na árvore e observatório de pássaros

EMEI Dona Leopoldina realiza sonho das crianças com projeto que envolve arte, natureza e brincadeira

casanaarvoree not.jpg


Há seis meses, crianças e educadores da Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Dona Leopoldina, da Diretoria Regional de Educação (DRE) Pirituba/Jaraguá, ganharam mais dois novos espaços para aprendizagem na unidade - uma casa na árvore e um observatório de pássaros. Ambos os ambientes passaram a fazer parte do cotidiano das aprendizagens na escola.


A ideia para a construção destes dois espaços surgiu em 2015, quando a escola perguntou aos estudantes: “Qual é o nosso sonho de escola?”. A diretora da EMEI, Marcia Corvelo, conta que esse assunto envolveu toda a unidade escolar e que o Conselho Mirim decidiu que a escola deveria ter uma casa na árvore e um observatório de pássaros – no conselho das crianças, elas deliberam quais serão as iniciativas e atuam diretamente na gestão do espaço. A partir daí, os pequenos passaram a elencar e desenhar quais seriam as características de cada espaço. Uma das exigências era que os dois ambientes não tivessem telhado.

Foto 1.jpg

Com as ideias no papel, o projeto para as construções dos espaços iniciou em 2015, por meio de uma parceira entre a escola, as famílias e equipe do Museu da Casa Brasileira, da Secretaria Estadual de Cultura. Tudo foi facilitado, pois, no mesmo ano, a escola já havia iniciado um estreitamento de relações e trabalho colaborativo com o núcleo técnico e educativo do museu. Professores da unidade têm a oportunidade de participar, quinzenalmente, de momentos formativos com a equipe da instituição.


A partir das exigências das crianças, o museu solicitou que um dos seus arquitetos fizesse um projeto. A escola apresentou a ideia para a comunidade, pediu doações e organizou eventos para angariar fundos para a construção. O processo para a conquista de todos os materiais, por doação e compra, mais a montagem, durou cerca de dois anos. A construção foi feita pouco a pouco, com ajuda dos funcionários e da comunidade, principalmente com o auxilio do avô de uma das crianças, que é construtor.



A inauguração dos espaços ocorreu no final de 2017 e, desde então, as atividades que aconteciam nas salas convencionais, com telhado e quatro paredes, ganharam novos sentidos e perspectivas. Do alto, durante as aulas, as crianças ouvem de perto o canto das variadas espécies de aves que circulam pela escola. A diretora diz que nas árvores do território é possível encontrar pica-pau, sabiá-laranjeira, bem-te-vi, maritaca, papagaio, águia e gavião. Com vista privilegiada, as crianças percebem a procura dos pássaros pelas árvores frutíferas que compõem o terreno. Ameixas e amoras aos montes brotam por lá.




Espaços Diversificados - Além dos dois novos ambientes, a escola possui outros espaços de convivência e aprendizagens que fogem do convencional, como: viveiro (estufa), meliponário (criação de abelhas sem ferrão), várias salas verdes (sem paredes e organizadas na área externa da escola), parque sonoro, estacionamento e pista de corrida para triciclos, horta, composteira, ateliê de artes, salas multimídia, refeitório com cozinha experimental, ateliê de costura, parque, quadra e playground projetados pelos alunos.

Foto 8.jpg

Marcia diz que todos estes espaços compõem os viveiros de aprendizagens e que, mesmo não sendo espaços estruturados com paredes, são ambientes educadores. A diretora ainda ressalta que esses ambientes seguem a proposta do Projeto Político-Pedagógico “Construindo Viveiros de Infância”, desenvolvido na escola e balizado em três eixos – arte, natureza e brincadeira.


Reconhecimento – A EMEI Dona Leopoldina já ganhou destaque em diversos prêmios de reconhecimento pedagógico com o projeto “Construindo Viveiros de Infância”. Em 2016 e 2017, ganhou o Prêmio Territórios Educativos, promovido pelo Instituto Tomie Ohtake. Esse prêmio busca reconhecer e fortalecer experiências pedagógicas que explorem as oportunidades educativas do território onde a escola está inserida, partindo do pressuposto de que a educação se dá também para além dos muros da escola. Em 2017, venceu o Prêmio Desafio 2030 - Escolas Transformando o Nosso Mundo, promovida pelo Instituto Akatu, Instituto 5 Elementos, Reconectta e Virada Sustentável. A iniciativa mapeou e reconheceu as melhores iniciativas educacionais na cidade de São Paulo nos quatro níveis de ensino. Neste ano de 2018, a unidade foi convidada a escrever sobre seu projeto para a Bienal de Arquitetura da Infância, que acontece na Espanha. A EMEI Dona Leopoldina é a única unidade escolar brasileira que participará desta ação.


Além desses, a escola já foi vencedora nas seguintes iniciativas: Prêmio de Educação para o Trânsito, da Companhia de Engenharia e Trafego (CET); Escola - lugar de brincadeira, cultura e diversidade, da Universidade Federal de São Carlos (UFSC); Prêmio Nacional com Participação Infantil, do CECIP – Centro de Criação de Imagem Popular. A escola também ganhou por dois anos consecutivos e recebeu uma menção honrosa no Prêmio Paulo Freire, ação promovida pela Câmara Municipal da Cidade de São Paulo.

Veja a galeria de imagens. 

Veja mais espaços diversificados na EMEI Dona Leopoldina